30 de setembro de 2010

freud explicaria

saiu de uma festa para entrar num elevador de um prédio de 11 andares em Lisboa, é uma saída rápida porque vou voltar, mas quando ponho o pé fora do elevador, alguns pisos abaixo, olho pela janela é dia claro e estou em bagdad. é estranho porque não conheço bagdad a não ser de fotografias e da televisão, mas sei que é lá que estou. quando desço ao rés-do-chão dou de caras com um colega da primária que não vejo há anos, é inspector da judiciária e a primeira coisa que faz é partir um bocado de ganza e passar-ma para a mão. o átrio do prédio está cheio de gente e sento-me num banco alto. de repente aparecem centenas de cogumelos, que mesmo que pareçam que iguais aos que tenho no frigorífico sei que são alucinogénos, no meu regaço [é uma palavra estranha regaço], que tento conter com o tecido da saia comprida. acordo a pensar que estou a precisar de fumar uma ganza. e depois penso que quem tem flashs acordada, enquanto faz sexo desenfreado, em que se vê a si e a outra pessoa [que nunca pôs os pés em nova iorque] na esquina da 42th com a 5th avenue não precisa de drogas nenhumas.

1 comentário:

MRPereira disse...

Eu diria que é um sonho estranho... Mas não sei até que ponto desagradável... :)

Kiss kiss