6 de dezembro de 2007

coerência

A mim, esquizofrénica em último grau, que só não está internada porque não dá confiança aos senhores que decidem estas coisas, que sabe bem o que é mudar de opinião, de gostos, de hábitos, o que me chateia realmente, mas ao ponto de me deixar com urticária, comichões pelo corpo inteiro, o rabo que não assenta na cadeira, e uma vontade praticamente incontrolável de bater com a porta de uma vez por todas, o que me chateia realmente é a falta de coerência. Dará assim tanto trabalho, aposto que não, é um esforço mínimo, a sério, podiam experimentar uma vez, iam ver que não dói nada, é menos que uma pica, estar de acordo entre eles, encontrar um rumo na bússola e segui-lo, durante um dia que seja, a ver se chegamos a algum lado.

2 comentários:

Isabela disse...

Não me parece que isso seja esquizofrenia.
Eu sou bastante incoerente em termos ideológicos. Como hei-de explicar? Acho que quem pensa tem de admitir que entra em contradição muito mais vezes do que desejaria. Essas incoerências fazem parte do nosso percurso. Mas creio que não te referes a essas.
Voltarei para ler o teu blogue com calma.
Um beijinho.

Sal disse...

Incoerência ideológica eu percebo e aceito. Mas não é disso que falo. É antes uma falta de rumo que se traduz nos mais pequenos gestos e que estraga a vida a muita gente.