22 de maio de 2010

vi um homem morrer na praia. literalmente. convivemos com a morte todos os dias, mais não seja no mundo que nos entra pela casa adentro através da televisão, mas ver o esforço dos bombeiros a 10 metros do sítio onde tinha estendido a toalha, ver o desespero dos amigos, o ar aparvalhado de todos os que amontoavam em volta para ver nem sei bem o que, ouvir as duas idiotas que atrás de mim cantavam os parabéns para um telemóvel em alta voz, os pais que se aproximavam com os filhos pela mão, enquanto os médicos iam contando um dois três quatro... enquanto comprimiam o peito daquele homem que já não saiu da praia com vida, deixou-me meia abananada e numa tristeza infinita.

5 comentários:

Dulce disse...

Um amigo meu morreu na praia de Leça, na quinta-feira... não sei se foi o que viu ou não, nem sei porque é que estou a deixar aqui este comentário, só sei que a dor é imensa...

Poetic GIRL disse...

A nossa vida é mesmo efémera, nunca sabemos quando será o ultimo dia... e sim sentimos uma sensação de impotência por não podermos fazer nada. bjs

Sal disse...

dulce, lamento muito. mas a sua necessidade de deixar esse comentário é a mesma [nas devidas proporções] que senti ao escrever este post. precisamos de vomitar a angústia.
e não, não terá sido o mesmo caso.

Isilda disse...

Como é que morreu?

afepereira disse...

A meu ver para evitar algumas situações como esta do post,acho que o estado devia de ter uma disciplina no ensino obrigatório em que se trata simplesmente de "Principios Básicos de Vida"... Sinceramente seria mesmo importante, pois enquanto o médico chega, normalmente com o medo e a espontaneadade do momento(choque) não se faz nada e os PRIEMIROS 10 MINUTOS SÃO DEMASIADOS IMPORTANTES...

Abreijos e aproveitem a vida ao máximo